sexta-feira, 24 de julho de 2009

Vygotsky


Vygotsky (1896-1934)


foi um psicólogo Russo, descoberto nos meios acadêmicos ocidentais depois da sua morte, causada por tuberculose, aos 37 anos. Foi pioneiro na noção de que o desenvolvimento intelectual das crianças ocorre em função das interações sociais e condições de vida.
Baseado nos princípios do materialismo dialético procurou construir uma “nova Psicologia” com o objetivo de integrar, “numa mesma perspectiva, o homem enquanto corpo e mente, enquanto ser biológico e social, enquanto membro da espécie humana e participante de um processo histórico.”
Um de seu méritos, sem dúvida, foi acompanhar o grande experimento social que foi a revolução russa e a sua fundamentação teórica de Karl Marx e Friedrich Engels, foi a partir das proposições teóricas do materialismo histórico que propôs a reorganização desse saber que é a psicologia, antevendo a tendencia de unificação das ciências humanas que denominaria psicologia cultural-histórica.

RELAÇÃO INDIVIDUO - SOCIEDADE EM VIGOTSKY





Resulta da interação dialética do homem com o seu meio sócio-cultural – ao mesmo tempo em que o ser humano transforma o seu meio para atender suas necessidades básicas, transforma a si mesmo.
Interação dos fatores biológicos X fatores culturais
A partir da concepção marxista de Homem e de mundo, Vygotsky, busca redefinir o método de compreensão do fenômeno humano a ser pesquisado pela psicologia. Essas preocupações os levaram a pesquisar as formas superiores de comportamento, tais como linguagem, memória, atenção, pensamento, e a entendê-las a partir das relações sociais que o indivíduo estabelece com o mundo.Esboçava-se então compreender os fenômenos psicológicos enquanto mediações entre a história social e a vida concreta dos indivíduos.


Os produtos da atividade humana são sempre coletivos na medida em que só adquirem um significado a partir da vivência social, que é mediada pela linguagem. Por isso não é possível falar de natureza humana como algo a priori, universal e abstrato. É na realidade concreta que nossas subjetividades são constituídas e, portanto, o que existe, em oposição à idéia de essência humana é a condição humana.


Partindo daí, ao introduzir a questão da atividade prática na constituição da subjetividade humana, a Psicologia sócio-histórica pode compreender o homem enquanto ser ativo, social e histórico, entendendo o Homem em sua totalidade sócio-histórica e o papel da atividade humana na constituição de subjetividade, a Psicologia crítica enfatiza as possibilidades de transformação por meio da ação dos indivíduos.


Então a relação individuo - sociedade, se baseia basicamente em compreender o homem enquanto ser ativo, social e histórico. Entendendo o Homem em sua totalidade sócio-histórica e o papel da atividade humana na constituição de subjetividade, a Psicologia crítica enfatiza as possibilidades de transformação por meio da ação dos indivíduos.




Música - Aquarela


auto - Toquinho


Essa Música mostra que o individuo trás o aprendizado social vivenciado em sua realidade de mundo para o papel, o que socialmente ele aprendeu, ele coloca em pauta.




Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo e com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo.corro o lápis em torno da mão e me dou uma luva, e se faço chover, com dois riscos tenho um guarda-chuva.


Se um pinguinho de tinta cai num pedacinho azul do papel, num instante imagino uma linda gaivota a voar no céu.vai voando, contornando a imensa curva norte e sul, vou com ela, viajando, havai, pequim ou istambul.


pinto um barco a vela branco, navegando, é tanto céu e mar num beijo azul.Entre as nuvens vem surgindo um lindo avião rosa e grená. tudo em volta colorindo, com suas luzes a piscar.basta imaginar e ele está partindo, sereno, indo, e se a gente quiser ele vai pousar.Numa folha qualquer eu desenho um navio de partida com alguns bons amigos bebendo de bem com a vida.de uma américa a outra consigo passar num segundo,giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo.


Um menino caminha e caminhando chega no muro e ali logo em frente, a esperar pela gente, o futuro está. e o futuro é uma astronave que tentamos pilotar,não tem tempo nem piedade, nem tem hora de chegar.sem pedir licença muda nossa vida, depois convida a rir ou chorar.Nessa estrada não nos cabe conhecer ou ver o que virá.o fim dela ninguém sabe bem ao certo onde vai dar. vamos todos numa linda passarela de uma aquarela que um dia, enfim, descolorirá. Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo (que descolorirá).e com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo (que descolorirá).giro um simples compasso e num círculo eu faço o mundo (que descolorirá)

MEDIAÇÃO EM VYGOTSKY




Mediação, enquanto sujeito do conhecimento o homem não tem acesso direto aos objetos, mas acesso mediado, através de recortes do real, operados pelos sistemas simbólicos de que dispõe, portanto enfatiza a construção do conhecimento como uma interação mediada por várias relações, ou seja, o conhecimento não está sendo visto como uma ação do sujeito sobre a realidade, assim como no construtivismo e sim, pela mediação feita por outros sujeitos.
O outro social, pode apresentar-se por meio de objetos, da organização do ambiente, do mundo cultural que rodeia o indivíduo.
Entende que o ser humano não é um produto de seu contexto social, mas também um agente ativo da criação desse contexto.
Os instrumentos mediadores são elaborados para a realização da atividade humana. O homem produz seus instrumentos para realização de tarefas específicas, são capazes de conservá-los para uso posterior, de preservar e transmitir sua função aos membros de seu grupo, de aperfeiçoar antigos instrumentos e de criar novos
Signos, Instrumentos psicológicos, têm a função de auxiliar o homem nas suas atividades psíquicas. Com o auxílio dos signos, o homem pode controlar voluntariamente sua atividade psicológica e ampliar sua capacidade de atenção, memória e acúmulo de informações como, exemplo, pode se anotar uma entrevista na agenda para não esquecer, consultar um atlas para localizar um país.
Mediação caracteriza a relação do homem com o mundo e com os outros homens. É através desse processo que as funções psicológicas superiores, especificamente humanas se desenvolvem. Dois elementos básicos responsáveis pela mediação que já citados acima:
Instrumento - que tem a função de regular as ações sobre os objetos
Signo – que revela as ações sobre o psiquismo das pessoas (objeto, figura, forma, fenômeno, gesto ou som – representa algo diferente de si mesmo) Ex: no código de trânsito a cor vermelha significa parar.







Vygotsky, profundamente influenciado pelos postulados marxistas, afirma que a origem das atividades psicológicas devem ser procuradas nas relações sociais do indivíduo com o meio externo.



video



Esse video mostra a mediação de um pai, sendo de fundamental importância para que a filha aprenda a andar de bicicleta.



video extraido de: http://www.youtube.com/watch?v=iRBXGlBLsE4





Poesia feita pelos trutas da aprendizagem, Elton, Gilberto, Mateus, Tiago, Thiago, Lucas e Lázaro.



Poesia sobre a teoria de vigotsky - O interacionismo



Quero ser um professor
Que sempre possa ajudar
O meu melhor vou oferecer,
A mediação compartilhar.



Você aprende socialmente
Isso é histórico-cultural
A linguagem é profundamente
Uma aprendizagem estrutural

Em teu desenvolvimento
O adquirido é real
Mas neste procedimento
Desenvolve-se o processual

Professor e interação
é a prática do mediador
Pois na esfera de educação
é apenas um facilitador



OS SÍMBOLOS PARA VIGOTSKY


Para Vygotsky, os signos, a linguagem simbólica desenvolvida pela espécie humana, têm um papel similar ao dos instrumentos: tanto os instrumentos de trabalho quanto os signos são construções da mente humana, que estabelecem uma relação de mediação entre o homem e a realidade. Por esta similaridade, Vygotsky denominava os signos de instrumentos simbólicos, com especial atenção à linguagem, que para ele configurava-se um sistema simbólico fundamental em todos os grupos humanos e elaborado no curso da história social.


ATRAVÉS DOS SÍMBOLOS E DA MEDIAÇÃO, QUAL O PAPEL DO PROFESSOR?


Socializar o conhecimento produzido pela humanidade;
intervir como agente mediador e transformador a partir dos símbolos também
Promover momentos de interação;
Desafiar as possibilidade reais da criança.

O símbolo representa um instrumento histórico social segundo Vigotsky, para isso, vejam abaixo expressões de professores condicionando a vida histórico social do aluno:


“ esse aluno não tem pré –requisitos”


“ esse aluno veio de escola mais fraca e não tem base para acompanhar os estudos da UNEB"


“ esse aluno não tem o domínio dos conceitos básicos para acompanhar os estudos normais".

LINGUAGEM EM VYGOTSKY

A linguagem, sistema simbólico dos grupos humanos, fornece os conceitos, as formas de organização do real, a mediação entre o sujeito e o objeto do conhecimento. É por meio dela que as funções mentais superiores são socialmente formadas e culturalmente transmitidas, portanto, sociedades e culturas diferentes produzem estruturas diferenciadas. A cultura fornece ao indivíduo os sistemas simbólicos de representação da realidade, ou seja, o universo de significações que permite construir a interpretação do mundo real. Ela dá o local de negociações no qual seus membros estão em constante processo de recriação e re-interpretação de informações, conceitos e significações. A linguagem é entendida como um sistema simbólico fundamental em todos os grupos humanos, elaborado no curso da história social, que organiza os signos em estruturas complexas e desempenha um papel imprescindível na formação das características psicológicas humanas. Linguagem – designa os objetos do mundo externo ( Ex.faca designa um utensílio usado na alimentação...), ações (como cortar, ferver, andar), qualidades do objeto (afiado, áspero) e as se referem às relações entre objetos ( tais como abaixo, acima, próximo).
O surgimento da linguagem imprime três mudanças essenciais
1- A linguagem permite lidar com os objetos do mundo exterior mesmo quando eles estão ausentes.
2- Processo de abstração e generalização – é possível analisar, abstrair e generalizar as características dos objetos, eventos e situações presentes na realidade. A linguagem não só designa os elementos presentes na realidade mas também fornece conceitos e modos de ordenar o real em categorias conceituais.
3- Função de comunicação entre os homens - garante como conseqüência, a preservação, transmissão e assimilação de informações e experiências acumuladas pela humanidade ao longo da história. A linguagem é um sistema de signos que possibilita o intercâmbio social entre indivíduos que compartilhem desse sistema de representação da realidade.
video

FASES BIOLÓGICAS EM VIGOTSKY


As concepções de Vygotsky sobre o funcionamento do cérebro humano, colocam que o cérebro é a base biológica, e suas peculiaridades definem limites e possibilidades para o desenvolvimento humano. Essas concepções fundamentam sua idéia de que as funções psicológicas superiores (por ex. linguagem, memória) são construídas ao longo da história social do homem, em sua relação com o mundo. Desse modo, as funções psicológicas superiores referem-se a processos voluntários, ações conscientes, mecanismos intencionais e dependem de processos de aprendizagem.
A análise psicológica deve ser capaz de conservar as características básicas dos processos psicológicos, exclusivamente humanos. Este princípio está baseado na idéia de que os processos psicológicos complexos se diferenciam dos mecanismos mais elementares e não podem, portanto, ser reduzidos à cadeia de reflexos. Ao abordar a consciência humana como produto da história social, aponta na direção da necessidade do estudo das mudanças que ocorrem no desenvolvimento mental a partir do contexto social.
Para Vygotsky, as potencialidades do indivíduo devem ser levadas em conta durante o processo de ensino-aprendizagem. Isto porque, a partir do contato com uma pessoa mais experiente e com o quadro histórico-cultural, as potencialidades do aprendiz são transformadas em situações que lhe ativam esquemas processuais cognitivos ou comportamentais, de tal forma que este convívio produza no indivíduo novas potencialidades, num processo dialético contínuo.
Para ele a aprendizagem impulsiona o desenvolvimento, a escola tem um papel essencial na construção desse ser; ela deveria dirigir o ensino não para etapas intelectuais já alcançadas, mas sim, para etapas ainda não alcançadas pelos alunos, funcionando como incentivadora de novas conquistas, do desenvolvimento potencial do aluno.

DIFERENÇA ENTRE COMPORTAMENTO ANIMAL E HUMANO, PARA VYGOTSKY


Todo comportamento animal, diferentemente do comportamento humano, conserva sua ligação com os motivos biológicos. A maior parte das habilidades humanas não se baseiam em inclinações biológicas.
A ação do homem é baseada em complexas necessidades:
•Novos conhecimentos; comunicar-se
•Ocupar determinado papel na sociedade
•Ser coerente com seus princípios e valores
O ser humano não se orienta somente pela impressão imediata e pela experiência anterior, pois pode abstrair, fazer relações, reconhecer as causas e fazer previsões sobre dos acontecimentos, e depois de refletir e interpretar, tomas decisões.
O homem não vive somente no mundo das impressões imediatas ( como os animais), mas também no universo dos conceitos abstratos, já que dispõe, não só de conhecimento sensorial, mas também de conhecimento racional.

Homem:
•Definições hereditárias
•Experiência individual
•Assimilação da experiência de toda a humanidade
•Submetido às leis do desenvolvimento sociocultural

Animal:
•Experiência da espécie é transmitida hereditariamente - comportamento instintivo e inato.
•Experiência imediata e individual – mecanismos de adaptação individual ao meio.
•Não transmite sua experiência
•Não assimila a experiência alheia
•Não é capaz de transmitir ou aprender a experiência das gerações anteriores.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

A INTERAÇÃO SOCIAL EM VIGOTSKY

Existem, pelo menos dois níveis de desenvolvimento identificados por Vygotsky: um real, já adquirido ou formado, que determina o que a criança já é capaz de fazer por si própria, e um potencial, ou seja, a capacidade de aprender com outra pessoa.A aprendizagem interage com o desenvolvimento, produzindo abertura nas zonas de desenvolvimento proximal ( distância entre aquilo que a criança faz sozinha e o que ela é capaz de fazer com a intervenção de um adulto; potencialidade para aprender, que não é a mesma para todas as pessoas; ou seja, distância entre o nível de desenvolvimento real e o potencial ) nas quais as interações sociais são centrais, estando então, ambos os processos, aprendizagem e desenvolvimento, inter-relacionados; assim, um conceito que se pretenda trabalhar, como por exemplo, em matemática, requer sempre um grau de experiência anterior para a criança.O desenvolvimento cognitivo é produzido pelo processo de internalização da interação social com materiais fornecidos pela cultura, sendo que o processo se constrói de fora para dentro. Para Vygotsky, a atividade do sujeito refere-se ao domínio dos instrumentos de mediação, inclusive sua transformação por uma atividade mental. Para ele, o sujeito não é apenas ativo, mas interativo, porque forma conhecimentos e se constitui a partir de relações intra e interpessoais. É na troca com outros sujeitos e consigo próprio que se vão internalizando conhecimentos, papéis e funções sociais, o que permite a formação de conhecimentos e da própria consciência. Trata-se de um processo que caminha do plano social - relações interpessoais - para o plano individual interno - relações intra-pessoais.Assim, a escola é o lugar onde a intervenção pedagógica intencional desencadeia o processo ensino-aprendizagem.O professor tem o papel explícito de interferir no processo, diferentemente de situações informais nas quais a criança aprende por imersão em um ambiente cultural. Portanto, é papel do docente provocar avanços nos alunos e isso se torna possível com sua interferência na zona proximal.Vemos ainda como fator relevante para a educação, decorrente das interpretações das teorias de Vygotsky, a importância da atuação dos outros membros do grupo social na mediação entre a cultura e o indivíduo, pois uma intervenção deliberada desses membros da cultura, nessa perspectiva, é essencial no processo de desenvolvimento. Isso nos mostra os processos pedagógicos como intencionais, deliberados, sendo o objeto dessa intervenção : a construção de conceitos.O aluno não é tão somente o sujeito da aprendizagem, mas, aquele que aprende junto ao outro o que o seu grupo social produz, tal como: valores, linguagem e o próprio conhecimento.A formação de conceitos espontâneos ou cotidianos desenvolvidos no decorrer das interações sociais, diferenciam-se dos conceitos científicos adquiridos pelo ensino, parte de um sistema organizado de conhecimentos.
A aprendizagem é fundamental ao desenvolvimento dos processos internos na interação com outras pessoas.Ao observar a zona proximal, o educador pode orientar o aprendizado no sentido de adiantar o desenvolvimento potencial de uma criança, tornando-o real. Nesse ínterim, o ensino deve passar do grupo para o indivíduo. Em outras palavras, o ambiente influenciaria a internalização das atividades cognitivas no indivíduo, de modo que, o aprendizado gere o desenvolvimento. Portanto, o desenvolvimento mental só pode realizar-se por intermédio do aprendizado.